skip to Main Content
(21) 99186-5884 contato@neurocienciasaplicadas.com.br
Neurociências Do Cotidiano: Dor – Companheira Constante De Frida Kahlo

Neurociências do Cotidiano: Dor – companheira constante de Frida Kahlo

A transmissão de informações relacionadas à dor da periferia para o córtex depende da integração do sinal em três níveis do sistema nervoso: medula espinhal, tronco cerebral e telencéfalo. No cumprimento de sua tarefa de proteger a saúde humana, a dor pode se desenvolver como resultado de neurônios aferentes primários danificados ou alterados (dependentes de estímulos) ou surgir espontaneamente sem nenhum estímulo causal aparente (independente de estímulos)1.
A dor nas costas foi uma das principais queixas de Frida após o acidente de bonde. Para além do acidente ela havia sido diagnosticada de escoliose congênita. Embora a escoliose possa predispor um indivíduo a dores nas costas, as múltiplas fraturas da coluna vertebral de Frida representariam um trauma sobreposto a um déficit biomecânico. O resultado pode potencialmente acelerar a degeneração da coluna vertebral e a dor. O seu médico também diagnosticou uma vértebra ausente. Esse achado pode ter representado uma sacralização congênita da quinta vértebra lombar, que ocorre em aproximadamente 12% da população, ou ser consequência de seu acidente ou cirurgia, ou ambos. Curiosamente, seu médico recomendou repouso no leito, uma dieta mais nutritiva, cessação do consumo de álcool e “terapia”. A maioria dessas recomendações, com exceção do repouso no leito, ainda seria considerada um excelente conselho nos dias de hoje2.
A luta de Frida com dores crônicas nas costas e cirurgias fracassadas é representada em seu trabalho de 1944, The Broken Column (figura acima). Nesta imagem, sua coluna vertebral é substituída por uma coluna dórica quebrada e seu tronco amarrado por um espartilho. As amarras incertas do espartilho de couro parecem retratar sua visão da natureza precária de suas próprias costas. A imagem corporal aparece prejudicada em muitos casos de pessoas com dor crônica, incluindo a própria repercussão da dor, como a lombalgia. A Coluna Quebrada pode representar essa perturbação da imagem corporal através da imagem do tronco renderizada em duas metades, mantidas juntas com tenacidade pelas tiras do espartilho. Talvez mais aparente, é o contraste de seu corpo quebrado e a coragem demonstrada em seu semblante2.

Fontes:
1. Aguggia, M. Neurophysiology of pain. Neurol. Sci. 24 Suppl 2, S57-60 (2003).
2. Courtney, C. A., O’Hearn, M. A. & Franck, C. C. Frida Kahlo: Portrait of Chronic Pain. Phys. Ther. (2016). doi:10.2522/ptj.20160036

Back To Top