skip to Main Content
(21) 99186-5884 contato@neurocienciasaplicadas.com.br
Treinamento De Força E Propriocepção

Treinamento de força e Propriocepção

Por: Paulo Leão
Fusos musculares, órgão tendinoso de Golgi e receptores na cápsula articular são exemplos de mecanorreceptores presentes nos músculos, tendões e articulações. Estas estruturas biológicas desempenham um papel fundamental na Propriocepção. A propriocepção diz respeito, por exemplo, ao controle motor, estabilidade das articulações e manutenção de uma postura estável durante a realização de uma determinada tarefa. A deficiência da propriocepção pode comprometer de alguma forma o sucesso na execução das atividades motoras diárias e esportivas. No que se refere à articulação do ombro, esta é reconhecida por ser a mais móvel e também a articulação mais instável do corpo humano. O complexo articular do ombro esta relacionado com uma grande quantidade de lesões reconhecidas genericamente como síndrome dolorosa do ombro. Segundo Myers e Lephart, os músculos do manguito rotador, deltóide, bíceps, redondo maior, grande dorsal e músculo peitoral são responsáveis por estabilizar o ombro. Alem da propriocepção outros fatores funcionais, relacionadas, com a força e com a tensão muscular podem contribuir para o surgimento de instabilidades no ombro. O déficit de força de flexibilidade e de propriocepção em um dos músculos que compõem o complexo do ombro pode na verdade estar relacionada com algum tipo de disfunção muscular, e se a mesmas não forem tratadas de forma adequada, podem acarretar algum tipo de injúria mais grave como, por exemplo, uma lesão.Atualmente é comum no ambiente acadêmico a recomendação sobre a importância da prescrição de programas de treinamento que busquem, nos praticantes de atividades esportivas, um desenvolvimento harmônico e equilibrado dos níveis de força e flexibilidade entre os músculos que atuam numa mesma articulação. Essa instrução tem sido entendida como sendo uma das formas válidas de atuação por parte dos profissionais na prevenção de lesão. Em um ensaio clínico randomizado controlado, conduzido por pesquisadores da UFRJ e que foi publicado na base de dados PubMed, atenção especial foi reservada ao senso de força. O experimento foi realizado durante o período de oito semanas. Nesse estudo, o grupo que realizou treinamento de força com as mesmas intensidades foram beneficiados com a melhora na propriocepção quando comparados com o grupo controle e com o grupo que realizou exercícios com intensidades variadas. O resultado obtido mostra entre outras coisas a importância de se trabalhar de forma adequada com intensidade e com distribuição dos exercícios tanto para desenvolvimento da propriocepção quanto, em ultima análise, para a prevenção de lesão. Acesse o artigo: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4477923/

Back To Top