skip to Main Content
(21) 99186-5884 contato@neurocienciasaplicadas.com.br
O Impacto De Intervenções Motoras E Lúdicas No Desenvolvimento Das Funções Executivas

O impacto de intervenções motoras e lúdicas no desenvolvimento das Funções Executivas

As funções executivas referem-se a uma série de comportamentos autorregulados necessários para controlar nossos pensamentos, nossas emoções e nossas ações, frequentemente associadas à maturação do córtex pré-frontal. 
Do ponto de vista das evidências cientificas vários grupos vem sugerindo intervenções que empregam recursos com regras para moldar e reforçar sistemas autorregulados (Shaheen, 2014), como:
a) Aqueles que incluam atividades lúdicas explicitas, com engajamento cognitivo pela via da emoção e motivação, 
b) Incluam as teorias dos sistemas sensoriais e cinestésicos, por exemplo, proposto por Ayres (2005), 
c) Incluam a modulação atencional visual e auditiva como o pay attention (recentemente lançado no Brasil pelo Valor Conhecimento), 
d) Programas que têm na base a teoria social de Vygotsky (1978) para desenvolver os comportamentos adaptativos e que agregam, desta maneira, a Experiência de Aprendizagem Mediada e Modificabilidade Cognitiva Estrutural de Reuven Feuerstein,
e) Programas sistemáticos que envolvam pais, escola e familiares no apoio a comportamentos apropriados adaptativos ao invés de comportamentos exclusivamente executivos, 
f) Os de abordagens que envolvam tarefas motoras com regras e uso da abstração. 

Sabe onde você encontra uma clínica que trabalha dessa forma?

No INA!
Aqui o compromisso é com a qualidade pautada na evidência cientifica e com o efeito clínico mensurado. 
Ligue e marque uma consulta!
Nossos telefones são: (21) 3577-3311 e (21) 99186-5884.
Estamos localizados na Avenida das Américas, 500, Bloco 6, Sala 315, Shopping Downtown. Barra da Tijuca – RJ.

Fonte: Ayres, A.J., 2005. Sensory Integration and the Child: 25th Anniversary Edition. Los Angeles.
Shaheen, S., 2014. How child’s play impacts executive function–related behaviors. Appl. Neuropsychol. Child 3, 182–187. doi:10.1080/21622965.2013.839612

Back To Top