skip to Main Content
(21) 99186-5884 contato@neurocienciasaplicadas.com.br
A Experiência Na DANÇA Modula A Sensibilidade Visuomotora?

A experiência na DANÇA modula a sensibilidade visuomotora?

– Através de uma avaliação de neuroimagem – Eletroencefalograma (EEG)Andrea Orlandia et. al, investigou mecanismos associados com um aumento funcional do acoplamento de áreas parietais envolvidas no processamento atencional de estímulos relevantes para dançarinos profissionais, evidenciando um efeito de “eficiência neural”. 

– A hipótese da eficiência neural defende a modulação de áreas corticais promovidas via especialização em determinadas tarefas. O estudo acima, encontrou resultados significativos que corroboram com a hipótese de “eficiência neural” para o grupo de dançarinos profissionais quando comparados à indivíduos sem qualquer especialização em dança em uma tarefa com apresentação de estímulos visuais para discriminação de movimentos complexos da dança contemporânea.

– Essa evidência demonstra o papel da experiência visuomotora adquirida com a dança contemporânea na modulação visuomotora da percepção de movimentos complexos através de uma análise da atividade eletroencefaclográfica durante a observação de uma ação. Apenas os dançarinos profissionais foram capazes de automaticamente reconhecer diferenças sutis entre dois movimentos muito semelhantes, que foi provavelmente um resultado de processos de plasticidade neural que ocorreu depois de anos de formação e desempenho.

FONTES: Andrea Orlandia,b,⁎, Alberto Zanib, Alice Mado Proverbio. Dance expertise modulates visual sensitivity to complex biological movements. Neuropsychologia 104 (2017) 168–181.http://dx.doi.org/10.1016/j.neuropsychologia.2017.08.019

Babiloni, C., Marzano, N., Infarinato, F., Iacoboni, M., Rizza, G., Aschieri, P., Cibelli, G., Soricelli, A., Eusebi, F., Del Percio, C., 2010. “Neural efficiency” of experts’ brain during judgment of actions: a high-resolution EEG study in elite and amateur karate athletes. Behav. Brain Res. 207 (2), 466–475.http://dx.doi.org/10.1016/j.bbr.2009. 10.034.

 

Back To Top